quarta-feira, agosto 08, 2018

Santo Inácio de Loyola

domingo, agosto 05, 2018

Três rapidinhas


1. A canícula impede-me de escrever coisas interessantes. Sou muito sensível ao calor térmico. Quase, quase que ia escrever "calor humano" mas o meu poderoso gene dostoevskiano filtrou tal coisa.
O suor generoso escorre-me de forma ininterrupta pelos braços e nascem-me membranas interdigitais feitas de suor seco. Sou um pato-homem. Tenho muita, mas mesmo muita dificuldade em escrever. Esperem aí. Um pato não, um cisne porque sou um gajo bonito. Estou a fazer este post com a ponta do meu bico-nariz. Obrigado Gogol.


2. A minha mente fervilha de obscenidades. A irmã da minha sogra é freira e anula de uma forma muito dócil, muito subtil os pensamentos daninhos. A sua candura ataca e cauteriza os meus delírios persecutórios. É uma curadora. A senhora veio passar uns dias cá a casa. Sinto-me de certa forma alivado e nem sequer me toquei ou fui tocado. Tenho um farol de Luz debaixo do meu tecto. Não, não estou a brincar.


3. Acredito piamente (tem de ser sempre piamente, senão o verbo acreditar perde força) no Karma e na Roda de Samsara. Para obter redenção,  tenho de perdoar. Custa para carago. Uma travessia no deserto. Falsos oásis, tenho de continuar. Dois anos disto. Basicamente, tenho de perdoar o mal que fiz noutras vidas e perdoar o que essa malta me está a fazer (só para terem uma ideia, não sei o que os obsessores fizeram ao meu corta-unhas e nunca tenho papel higiénico disponível quando faço o que ninguém pode fazer por mim). Sobretudo, tenho de me perdoar a mim mesmo. Vejo daqui os vossos esgares e sorrisos trocistas. Mas sei que há uma pequena parte que se sente solidária comigo porque já passou pelo mesmo. Freud, às vezes, não explica.




quinta-feira, julho 26, 2018

terça-feira, julho 24, 2018

Teorema

A minha questão do momento é esta:
Se um chimpazé pode escrever aleatoriamente toda a obra do Shakespeare por um infinito período de tempo, porque é que não hei-de conseguir?

Já não digo Shakespeare, contentava-me com um Verne, um Machado, um Millerzinho, um Forster, um Saroyan. Oh, mas, esperem, o que vem a ser isto, um esquadrão de Ninfas e Ninfetas a vir na minha direcção?
Até digo mais: dêem-me a ilha do Pessegueiro por tempo ilimitado e eu escreverei coisas melhores do que Louys, Bataille, Hilda Hilst (Sade não, é imbatível, intransponível). 

Tudo isto é ficção como é óbvio.

quinta-feira, julho 12, 2018

"Luta de galos" de Jean-Léon Gérôme

segunda-feira, julho 09, 2018

Série "Ex-votos mexicanos"

























Agradeço à Virgem de Guadalupe por me salvar da morte e enviar-me uma sereia para me ajudar, ela tirou-me da água e arrastou-me para a praia.
Armando Soto Garcia. Veracruz, 23 de junho de 1963.

terça-feira, julho 03, 2018

Telefonia

- Meu caro. A melhor imagem que lhe posso dar para a maleita que padeço é a seguinte. Imagine um rádio muito antigo numa sala bafienta com móveis de carvalho, pesados, maciços. Flores de plástico numa jarra, cacos. Um cinzeiro de alabrasto, uma pequena estatueta de Fátima vigia uma estatueta de um cavalheiro do século dezoito a fazer a corte a uma dama do século dezoito. Esse tipo de coisas. Mas o rádio é bonito, é uma...
- ...telefonia?
- Sim, uma telefonia. Estou a tentar sintonizar uma estação, mas só apanho estática, ruído. O rádio é muito antigo, não ajuda. A minha cabeça só consegue ouvir ruído e algumas vozes e músicas abafadas, "lá ao longe". Até que finalmente consigo sintonizar uma estação, mas talvez por escutar tanto ruído durante tanto tempo, não me soa bem. E volto a procurar. Mais ruído, mais estática, estou hipnotizado. Rodo o botão para a esquerda e para a direita,  já estou em modo automático, procuro a melhor estação com a sintonização mais fina, mais distinta. Mas sei que, na verdade, não interessa. Caí na malha do ruído. O ruído torna-se confortável para os meus ouvidos. Está-me a seguir?
- Sim. Porque não compra um rádio novo?
- Porque gosto mais deste.